Esgrima

PRINCÍPIOS DO ESPORTE
A Esgrima é uma das quatro modalidades esportivas que fazem parte dos Jogos Olímpicos desde a sua primeira edição, em 1896. Durante a prática do esporte, o corpo do atleta se beneficia de diversas formas, desde a sua visão até a resistência. Para praticar a modalidade, é preciso que o esportista tenha agilidade, flexibilidade, resistência, inteligência e controle emocional.

Antigamente, a esgrima era utilizada como forma de combate, em confrontos com porte de armas brancas. Depois da criação das armas de fogo, foi proibido esse tipo de combate. Por esse motivo, passou a existir apenas a esgrima esportiva. O esporte pode ser utilizado inclusive para a redução do estresse, já que a mente está focada no jogo e o corpo produz endorfinas bem-humoradas.

HISTÓRIA DA ESGRIMA
Nossos ancestrais utilizavam a luta com espadas como forma de combate, sendo caracterizada pela necessidade da caça e da sobrevivência dos povos. Os primeiros registros aconteceram no século XVI, no Egito e na Grécia, com armas feitas de metal. Nesse período, os gregos também se utilizavam de armas muito parecidas com as dos egípcios, utilizando o metal para dar pancadas.

Depois disso, a prática chegou aos romanos que tinham armas similares às dos gregos, mas que modificaram sua estrutura inicial, tornando-as mais espessas e menores de comprimento. Inicialmente, seu uso era puramente guerreiro. Com o passar do tempo, as armas ganharam também um aspecto circense, como forma de entretenimento da população.

Com a evolução das formas de batalha e também das armas, o domínio do manejo e da fabricação delas chegou a Itália, onde surgiram os primeiros tratados e estudos de esgrima, que apesar de serem confusos, começaram a criar a sua base. Eles falavam sobre a posição de guarda, a esquiva, o golpe à face, bem como do uso da espada e do punhal para a defensiva.

Com novos estudos italianos, foi descoberto que o golpe de ponta poderia ser realizado a uma maior distância, sendo mais seguro. Depois disso, foram criados todos os golpes da esgrima, que apresentou soluções para a utilização do armamento em todas as situações, mesmo quando em desvantagem. Por esse motivo, o material foi modificado, utilizando apenas a espada e a adaga.

Por volta do século XVII, surgiram as primeiras armas de fogo, pistolas com capacidade para um ou dois cartuchos. De imediato, não foi extinguido o uso da espada, por conta de possíveis falhas. E nesse mesmo século, surgiu a principal rivalidade da história da esgrima, quando o domínio das espadas passou dos italianos para os franceses.

Na França, o material começou a evoluir, tornando a esgrima mais parecida com a dos dias atuais. Surgiram as luvas, a máscara, os punhais, os coletes para os mestres, os floretes, as armas de treinamento mais leves e também os golpes não letais, com um caráter mais esportivo. Sendo assim, as primeiras escolas de esgrima constatadas são as francesas.

Com o surgimento dos duelos, a utilização da espada passou a ser questão de vida ou morte, aumentando em muito a quantidade de treinamentos. Para evitar ferimento nos olhos, os esgrimistas não podiam atacar simultaneamente. Criando a cultura de defesa de um deles, para depois projetar o ataque. Essas convenções são a origem das regras de sabre e florete da atualidade.

No final do século XVIII, é considerado o terceiro período da esgrima, similar a modalidade dos dias atuais. A esgrima sofreu uma grande mudança nos seus treinamentos escolares, com uma troca sucessiva de golpes com velocidade. Dessa vez, sem o risco de ferimento nos olhos, devido ao início da utilização das máscaras de rosto.

No mesmo período, surgiram as armas semiautomáticas e a esgrima perdeu sua característica inicial, se tornando totalmente esportiva. Sendo extintos os duelos, oficialmente, no início do século XIX. A ferida que determinava o vencedor do duelo, perdeu o espaço para a arbitragem. De lá para cá, se fez ainda mais necessária o toque com agilidade e inteligência.

NA PRÁTICA
O objetivo principal é tocar no adversário com uma lâmina, ao mesmo tempo em que o atleta deve evitar ser tocado por ele. As vestimentas de esgrima são tradicionalmente brancas, e os esgrimistas devem usar: Jaqueta, luvas, fios elétricos, armas, calça, máscara e plastrom. As mulheres ainda usam protetores especiais para os seios.

A pista de esgrima tem quatorze metros de comprimento, além de um metro e meio a dois metros de recuo, que podem ser utilizados pelos atletas. A largura é de um metro e meio a dois. O esgrimista pode sair da pista lateralmente para fugir do golpe, mas deve voltar e andar 1 metro para trás. Se o atleta sair pelo fundo da pista, será dado ponto para ao adversário.

Uma curiosidade é que antes dos sensores eletrônicos, as armas eram mergulhadas em tinta para facilitar o trabalho dos juízes ou então utilizava-se giz na ponta para indicar o golpe. Hoje em dia, quando a lâmina toca os coletes metálicos ou a máscara metálica, um segundo sensor é ativado. Antes de qualquer combate, os equipamentos são testados.

Durante a etapa classificatória das competições, são necessários cinco toques ou três minutos para se vencer. Já durante a etapa eliminatória, são necessários 15 toques ou nove minutos, divididos em três tempos. Essas normas podem ser flexíveis, dependendo do território da competição e do órgão responsável pela organização dos eventos.

Se um dos jogadores perder a sua arma durante o combate, a seguinte regra se aplica: Se o movimento de ataque do adversário for o motivador para a perda da arma, o ponto é validado. Do contrário, a ética manda o adversário esperar o oponente recuperar a arma. No caso de empate, inicia-se a prorrogação de 1 minuto até que alguém marque um ponto.

A etiqueta do esporte requer que os adversários se cumprimentem ao entrarem na pista, o movimento é feito rapidamente com as armas e deve ser feito antes de colocarem as máscaras. São três modalidades de esgrima: O florete, a espada e o sabre. A diferença se trata tanto da lâmina quanto nos locais do corpo que o atleta pode ser tocado. Confira um pouco sobre cada:

FLORETE: É a arma mais comum entre os atletas e a mais fácil para o início de aprendizagem, por ter uma lâmina mais flexível e leve. No início das competições femininas, as mulheres utilizavam apenas essa arma. Como foi o caso das Olímpiadas, que permaneceu como a única modalidade do gênero, permanecendo assim entre 1924 e 1992. No masculino, a modalidade existiu desde a primeira competição. As principais características necessárias para a disputa é a postura, agilidade, equilíbrio, senso de tempo de reação e flexibilidade. Nessa, é válido o toque com a ponta da arma apenas no tronco do adversário (frente e costas) e na região ventral. No caso de toque simultâneo, quem começa o ataque tem prioridade de pontuação.

ESPADA: Pode ser tocada em todo o corpo do adversário com a ponta da arma, por esse motivo, os atletas tendem a jogar em uma posição mais vertical. Nesse caso, existem mais alvos que se tornam expostos, como o joelho, sendo mais raro o agachamento dos atletas. É a melhor arma para jogadores altos, já que exige menos flexibilidade. De todas as armas, essa tem a lâmina mais dura, tendo o toque mais forte e pontiagudo, principalmente se tocado na máscara. Em 1900, essa modalidade foi introduzida no cronograma olímpico masculino e, somente em 1996, no feminino. Diferente das duas outras modalidades, no caso de toque simultâneo, ambos os atletas pontuam.

SABRE: É a arma mais violenta e ágil, sua lâmina é a mais flexível de tal forma que nem o bloqueio do defensor consegue bloquear a sua parte frontal, que se dobra por cima da outra arma. Exige muita rapidez e preparação física, levando em conta a maior possibilidade do toque, que pode ser feito pela ponta e também com a lâmina. A região que deve ser atingida é da cintura para cima, incluindo os braços e excluindo as mãos. É comum que em contraste aos toques violentos, os esgrimistas nem sintam alguns toques durante o combate. Ela está desde a primeira Olímpiada no cronograma masculino, e em 2004 no feminino. No caso de toque simultâneo, quem começa o ataque tem prioridade de pontuação.

MODALIDADE OLÍMPICA
Com participação em todos os Jogos Olímpicos, a Esgrima possui atualmente dez modalidades: Florete individual masculino, florete individual feminino, florete por equipes masculino, espada individual masculino, espada individual feminino, espada por equipes masculino, espada por equipes feminino, sabre individual masculino, sabre individual feminino e sabre por equipes feminino.

Pela tradição da esgrima na Itália, o país possui o maior número de medalhas da competição, são 125. São 49 de ouro, 43 de prata e 33 de bronze. Sendo acompanhado, posteriormente, pela tradicional equipe francesa, com 118. Essa possui 42 de ouro, 41 de prata e 35 de bronze. Por conta da origem do esporte e do número de medalhas, essa é a principal rivalidade da esgrima.

ESGRIMA NO BRASIL
Em 1913, a Federação Internacional de Esgrima foi fundada, estabelecendo regras para o esporte. Sua aparição no Brasil surgiu na época do império, no comando de Dom Pedro II que equipou toda sua tropa. Durante as décadas seguintes, a esgrima cresceu no país com praticantes, principalmente entre os militares.

Em 1927, foi criada a União Brasileira de Esgrima, através da fusão entre as federações paulista e carioca. Os brasileiros estrearam nas Olimpíadas, na cidade de Berlim, em 1936. Até o momento, o Brasil não conquistou nenhuma medalha olímpica desse esporte. Em 2016, conquistamos o recorde de representantes, por sermos o país sede, foram 13 atletas.