Jogo por um TETO reúne Athletico, Coritiba e Paraná para um bem maior

Com renda destinada à construção de moradia em comunidades carentes, o evento reuniu ídolos do passado no gramado do Couto Pereira

No último domingo (23), o Estádio Couto Pereira recebeu a segunda edição do “Jogo por um TETO”. A partida de futebol contou com jogadores e ex-jogadores paranaenses, astros de outros esportes e grandes personalidades. De quebra, o evento contribuirá para o trabalho de uma das organizações sociais mais respeitadas do Brasil, o TETO.

Couto Pereira pôde ter Alex jogando mais uma vez em seu gramado.

Presente em vários países, a organização internacional atua há mais de 10 anos para garantir o direito à moradia nas favelas mais precárias e invisíveis do país, através de programas sociais que geram soluções concretas de melhorias das condições de moradia e habitat.

Atuando no estado do Paraná desde 2015, o TETO conta com equipes fixas em seis comunidades: Caximba, Parolin, Portelinha, 29 de Março, Vila Nova (Colombo), Jardim Independência (São José dos Pinhais), Favorita e Santa Cruz (Araucária). No total, já foram construídas 349 moradias. Além disso, a organização já realizou mais de 2 mil enquetes socioeconômicas e mobilizou mais de 3 mil voluntários.

Henrique Weber, de 21 anos, é voluntário fixo do TETO a mais de um ano e meio. Segundo ele, as experiências vividas nos voluntariados é benéfica para quem ajuda e para quem é ajudado. “As experiências tiram você do comum. Nós passamos a conhecer a realidade das comunidades e, além de ajudar quem precisa com isso, damos mais valor para as coisas que temos”, disse Henrique.

Ex-atletas se reuniram para amistosos com o objetivo de arrecadar fundos para instituição de caridade. Fotografia: Gerson Klaina.

O evento, que teve sua primeira edição em 2018, contou com dois triangulares. Na preliminar, três times se enfrentam: imprensa paranaense, TETO (voluntários, patrocinadores, apoiadores do evento e moradores das favelas) e Rhumell. A partir das 11h, foi a vez do jogo das estrelas.

Presentes no evento, os craques do presente e do passado fizeram jogos disputados e o Couto Pereira pôde ter mais uma vez o craque Alex jogando em seu gramado. Além do ídolo do Coritiba, o Lucio Flávio, bicampeão carioca com o Botafogo e campeão paranaense com o Paraná, esteve em campo.

Pedro Odoni, Anderson Aquino e David Braz também suaram a camisa para um bem maior. O saldo do jogo foi positivo, além do apoio a uma causa nobre, quem esteve presente pode matar a saudade de craques do passado e, que mesmo aposentados, não desaprenderam como jogar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *